Psicologia e Ciência Contemporânea, estudo e crescimento de alma Este blog foi criado para aqueles que estão despertando e para os que já estão despertos à Nova Era e à nova consciência. O AMOR INCONDICIONAL, a Compreensão e a Compaixão são os princípios da nova consciência e o acesso a 5ª Dimensão e Dimensões superiores é concedido para todos e é gratuito, e nada está lá fora, tudo está dentro de você e é só acessar. Não precisamos mais de Mestres. Somos nossos próprios Mestres. Seja bem vindo. SOMOS TODOS UM ! PAZ e LUZ! Namastê! Gratidão! Muito Obrigada!

segunda-feira, 24 de abril de 2017

ASTRONAUTA DE PALENQUE REI PAKAL VOTAN




Abril 24, 2017



Uma das antigas cidades construídas pelos maias, um dos tópicos mais controversos do planeta terra, o Palenque astronauta.


PALENQUE  CHIAPAS


Fundada em 1800 AC, Palenque foi uma das cidades chaves da antiga civilização maia, uma civilização que continuou dominante na América Central de hoje por quase 2 mil anos. Uma pirâmide de degraus chamada templo das inscrições, um nome adequado porque é possível encontrar 620 entradas classificada como a construção mais importante de Palenque, e se destaca das demais construções maias, uma incrível precisão arquitetônica, precisamente em 1948 o arqueólogo francês nacionalizado mexicano Alberto Ruz Lhuillier, decidiu estudar o templo das inscrições para determinar se essa construção foi construída sobre os restos de um edifício antigo.


ALBERTO RUZ LHUILLIER


Naquele momento Ruz notou que uma das paredes do templo não terminava no chão, mas parecia continuar por debaixo, é onde descobre uma parede que tinha um orifício que permitia mover.

Ao retirar uma laje inicia-se as escavações mais importantes de todo o templo.

O que estava começando a vislumbrar a famosa escadaria que levava as profundidades da pirâmide, mas a tarefa não era fácil pois a escadaria estava completamente coberta por escombros, pequenas pedras e terra, fato que atrasou o processo de escavação e cada passo que foi dado significava um passo a mais em algo que cada vez era importante a descoberta.


 Escada descoberta debaixo da parede
Finalmente 4 anos depois precisamente em maio de 1952, depois da retirada de aproximadamente 400 toneladas de entulho, Alberto Ruth descobre no final da escada um estreito corredor, que terminada num muro de pedra, um obstaculo que tinha que ser respeitado claro.


Corredor estreito ao final da escada



Esta grande parede de pedra guardava uma câmara, uma câmara que a luz de lanternas poderia ser vistos no teto restos de esqueletos que pendiam por séculos de infiltrações. No chão estava seus esqueletos com uma cor avermelhada que parecia com zinabre, a qual é utilizada para preservação de ossos humanos. Esqueletos de seis adolescentes que acreditavam que foram sacrificados, cinco homens e uma mulher, mas a incógnita naquele momento era porque esse sacrifício? Talvez a resposta estaria atrás de um segundo muro de pedra de forma triangular que fora encontrado em algumas das paredes mas era preciso separá-lo.


Junho de 1952:

Alberto Ruz movendo o muro conseguiu entrar em mais uma câmara, ao mesmo tempo que entrava na história da arqueologia, uma sala retangular de 9 metros de comprimento por 4 de largura com um teto acabado abobadado e sete metros de altura, o chão estava totalmente coberto por uma monumental laje de pedra esculpida, possivelmente artefato maia mais notável já encontrado.


Câmara


A laje estava apoiada num imenso bloco esculpido, e quando levantaram descobriram o cadáver de um rei, um rei que havia sido enterrado com uma mascara de jade que cobria parte do seu rosto.


Bloco de Laje esculpido



Seria o primeiro cadáver que descobria em uma pirâmide maia, se tratava de rei Pakal. Estavam no túmulo do máximo governante maia de Palenque que aos 12 anos assumiu o trono com a ajuda de sua mãe, governando de 615 a 683, um governo caracterizado por haver impulsionado a obra arquitetônica da Palenque e também por ter iniciado os registros hieróglifos de sua história dinástica.

Aquela monumental pedra que cobria o sarcófago do rei Pakal guarda hoje uma das maiores controvérsias. Uma pedra lapidada de 3,80 metros de comprimento por 2,20 de largura com peso de aproximadamente de 5 toneladas, talhada em baixo relevo parece oferecer um retrato de um personagem que estava sob o rei Pakal.




Alguns arquiólogos afirmam que se trada de uma representação do rei Pakal em sua viagem para o submundo, mas os teólogos e os antigos astronautas acreditam que o rei é mostrado sentado sobre os comandos de uma nave espacial, dai o sobrenome astronauta de Palenque.

Alguns detalhes que afirmam a teoria de que o rei Pakal foi um ser interestelar como podem observar na imagem a postura, e que no nariz é possível ver um aparato, um aparato que serviria como respirador e cumpriria a função de um capacete de um astronauta. Sua cabeça apoiada em um suporte e a posição de suas mãos poderiam explicar estar dirigindo alguns controles, já em seus pés não estão comandando nenhum tipo de pedal, finalmente na posição inferior a suposta nave poderia distinguir algum tipo de suporte para acomodar-se.


2011:

Com base nos argumentos descritos do rei Pakal como um astronauta, aquela representação talhada em baixo relevo foi incorporada em um modelo tridimensional elaborada por um modelador chamado Paul Francis.

A pergunta que esta no ar, realmente é a escultura que o rei Pakal entalhou, podemos dar a confirmação da cumplicidade entre os governantes maias e as forças extraterrestres como teóricos astronautas ancestral.

Uma pergunta que trata-se de uma parede, é importante dizer que Palenque é um vasto lugar e acredita que apenas 10% tenha sido escavado, talvez o melhor dos mistérios para as respostas permanecem ainda guardados…







Agente de sincronização galáctica do novo tempo. Conheceu o Sincronário da Treze Luas em 1995 e desde esse momento reconheceu sua missão e vocação e mergulhou profundamente nos ensinamentos de Valum Votan (José Arguelles). Em 1999 concluiu sua etapa de treinamento na “Matrix” (Onde trabalhou em grandes empresas na área da navegação e comercio exterior) e foi participar da Cumbre Mundial da Paz y del Tiempo em San José , Costa Rica e no Seminário Magos da Terra de 49 dias promovido por Valum Votan e Bolon Ik. O Seminário marcou um antes e um depois em sua vida, os 49 dias foram uma iniciação completa nos códigos do tempo e a despedida de sua personalidade 12:60 para assumir por completo seu roll no lançamento da Nave de Tempo Terra 2013.
Depois do Seminário Magos da Terra , Flaviah foi co –fundadora da Karavana Educativa para o Novo Tempo, realizando classes, Seminários e divulgando a informação das 13 Luas no Brasil, Chile e Argentina.
Em 2000 Fundou o Jardim Mundial de Paz em Epuyen , Patagônia Argentina onde se instalou o primeiro experimento não comum de vivência e imersão total nos códigos de tempo. O Jardim de Paz (como foi conhecido) perdurou por 13 anos, até a sincronização galáctica 2013 e encerrou suas atividades para assumir um novo formato. O experimento foi um completo treinamento de vida futura, abarcando várias áreas do conhecimento humano e aprofundando nos códigos avançados do tempo galáctico.
A experiência de Flaviah abarca não somente as Treze Luas e a Lei do Tempo, mas também outras técnicas de meditação, cura, auto cultivo, empoderamento pessoal, feminino sagrado, parto natural, parteria galáctica, autoconhecimento, auto cura, cosmética natural, aroma terapia, permacultura, vida sustentável, conservação de alimentos, técnicas e boas práticas de vida saudável e leis universais.
Flaviah segue participando ativamente dos eventos promovidos pela Fundação Lei do Tempo, do Instituto Noosfera, Instituto 13 Luas , participando na coprodução de materiais de estudo e Sincronários das 13 Luas no Brasil e na Argentina, dando aulas, cursos e conferencias presenciais e online, fazendo consultoria de sincronização para grupos, operando como coach galáctico integral e assistindo as pessoas que estão no processo de despertar e transição a encontrarem as respostas que suas almas pedem.
















Nenhum comentário:

Postar um comentário