domingo, 24 de janeiro de 2016

A CONSCIÊNCIA BASEADA NO CORAÇÃO - USANDO O CORAÇÃO COMO UM ÓRGÃO DE PERCEPÇÃO




Janeiro 24, 2016







Na sociedade de hoje, especialmente no mundo ocidental, se pedirmos a alguém para apontar o lugar em seu corpo onde está a sua consciência e o de tomada de decisão, é mais provável  apontar a cabeça.

Nossos ancestrais indígenas, no entanto, respondem à mesma pergunta, apontando seus corações.

Eles entendem a capacidade do coração de perceber de maneira inteligente e decifrar o mundo ao seu redor, e reconhecem as limitações e natureza reducionista de ver baseando-se apenas na mente.

Eles foram além dos pensamentos da cabeça, usando o coração como um órgão de percepção para se conectar com os campos de energia de outros organismos - não somente em relação a outros seres humanos, mas também para a Terra - com a finalidade de mergulhar totalmente nos significados mais profundos contidos nos seus pensamento

A participação neste tipo de percepção baseada no coração e na comunicação com o mundo tende a ser relativamente sem sentido, o que antes parecia importante. Quando uma pessoa absorve o significado de um outro organismo usando seu campo de coração, uma mudança sutil se produz no interior, seja sutilmente ou mais ainda, mais que muda para sempre.

Os antigos gregos se referiam a este tipo de comunicação silenciosa baseada no coração como sensibilidade, que significa "respirar para dentro - inspirar".




A CONEXÃO CORAÇÃO-CÉREBRO



Embora muitos de nós fomos ensinados que o coração responde aos comandos do cérebro, enviados na forma de redes neurais, a verdade é que o coração realmente envia mais ordens ao cérebro através dos sinais neurais do que o cérebro envia para o coração.

Por causa disso, o coração é por vezes referido como o "cérebro do coração"  e nossa mente é conhecida como  o "cérebro do crânio."

Os sinais nervosos enviados do coração para o cérebro craniano afetam significativamente o funcionamento do cérebro e afetam os processos emocionais e cognitivos, como a atenção, a percepção, a memória e a resolução de problemas.






Os diferentes padrões de atividade cardíaca têm efeitos diferentes sobre o cérebro.

Por exemplo, padrões erráticos, atividades instáveis experimentados pelos coração quando se está estressado e / ou estão presentes os sentimentos negativos, se enviam correspondentes sinais neurais a partir do coração para o cérebro cranio, inibindo as faculdades cognitivas.

Como resultado, a capacidade de raciocinar e pensar fica claramente afetada, o que pode ser a razão por que muitos agem impulsivamente e tomar decisões ruins em situações de estresse.

Por outro lado, os padrões estáveis, ordenados da atividade do coração durante situações agradáveis ​​e na presença de sentimentos positivos resultam em sinais neurais correspondentes enviados a partir do coração para o cérebro para melhorar a função cognitiva e promover a estabilidade mental.

Assim, em um esforço para se manifestar uma vida que evoca sentimentos positivos isso pode aumentar grandemente a capacidade cognitiva e estabilidade emocional.




A CONEXÃO DO CÉREBRO E DO CORAÇÃO EM RESPOSTAS A ESTÍMULOS


Um estudo descobriu que o coração recebe e responde a estímulos antes que eles ocorram, formulando uma resposta à informação recebida antes mesmo que o cérebro tem a oportunidade de processá-lo.

Pesquisadores se referem a esse fenômeno como uma "premonição do corpo."

Então, se incentivarmos a ideia de implementar ao coração como um órgão de percepção, isso pode ser muito mais sábio do que isolar o cérebro como o principal centro de percepção e de consciência.




OS CAMPOS DE ENERGIA DO CORAÇÃO



O coração, que detém o título como o órgão de campo eletromagnético mais poderoso do corpo, pode sentir o coração de outra pessoa até dez metros de distância.

Como o cérebro é muito sensível às reações do coração, somos capazes de coletar esse tipo de "detecção eletromagnética do coração" e, essencialmente, alterar as ondas cerebrais de um outro indivíduo, bem como de si mesmo, e / ou, na verdade, sincronizar suas ondas cérebro com as da outra pessoa.




O campo electromagnético do coração


A maioria de nós temos uma pessoa conhecida cuja presença, sem motivo aparente, nos causa uma sensação de desconforto - ou tristeza, raiva, ansiedade ou qualquer outro sentimento desconfortável - que justifica a decisão de não estabelecer uma conexão mais profunda com elas .

Assim como não podemos saber o por quê nos sentimos dessa maneira, mesmo que se tenha falado as palavras certas e fomos apresentados de uma forma "socialmente aceitável", muitas vezes não podemos entender o fato de que isso está acontecendo por causa da energia da outra pessoa, e que realmente não há absolutamente nada de pessoal.

Assim, o electromagnetismo do coração é uma grande forma medida para as nossas relações, nos guiando pelo que parece ser uma gravitação quase sem esforço para se conectar com os campos dos corações de algumas pessoas que se tornam amigos e / ou parceiros íntimos, e afastando pessoas cujas energias do coração colidem com as nossas energias.

Este tipo de sentir a energia também ocorre com lugares, com objetos e assim por diante.

Por exemplo, quando você vai a um restaurante e o anfitrião diz que você pode sentar-se onde quiser, e é muito provável que você não escolha qualquer mesa determinada. É muito mais provável que você antes observe a sala, verificando várias opções de lugares, embora a consideração de cada uma seja fugaz.

Então, você escolhe uma mesa dentre outras mesas semelhantes, mas por quê ?

Claro, existem fatores como o ruído e o desejo de sentar-se perto de uma janela - mas nem sempre é assim.

Creio que cada um de nós pode admitir pelo menos uma vez na vida optar por sentar em algum lugar porque estávamos atraídos por ele, ou sentarmos em algum lugar porque, por algum motivo de não "sentimos" bem em outras partes do ambiente.

Raramente paramos para nos perguntar por quê intuitivamente tomamos decisões como esta.

Considerando a capacidade do coração para coletar as energias de pessoas, lugares e coisas,e , intuitivamente, decifrar o que faz "se sentir bem" e o que por alguma razão faz "não se sentir bem", juntamente com a sensibilidade do cérebro para detectar mudanças sutis no mesmo campo de energia do coração e da sua capacidade para, em seguida, modificar os seus próprios mecanismos de respostas e mudar os nossos padrões de ondas cerebrais do pensamento, etc., parece bastante inadequado ouvir os conselhos dos eternos pessimistas que aconselham não seguir seu coração.

Dizem que assim vamos ter problemas, mas esse modo de viver, colocando a consciência apenas na mente e designá-la como o único órgão de percepção inteligente em nossos corpos, é talvez a primeira razão do por que essas pessoas são tão pessimistas.

Posicionar os pensamentos sobre os sentimentos para tomar decisões importantes na vida, especialmente grandes decisões, pode ser perigoso - não na forma como a sociedade define como perigo, mas sim pela forma como o espírito define o perigo, tal como o confinamento de qualquer parte do sua verdadeira essência interior, que é um dos muitos aspectos do caminho para a morte.

Indiscutivelmente tão perigoso, porém, e não menos importante, é não colocar completamente os sentimentos sobre os pensamentos para tomar decisões. Sim, especialmente as grandes decisões.

O truque para realmente resolver este problema não é nem um truque, mas uma maneira de viver que a muito tempo foi esquecido, que é você manter algum equilíbrio energético entre o coração e o cérebro - e todas as partes unidas mesmo para isso.

Aprender a entrar em sintonia com as mudanças sutis na energia e distinguir as suas origens, e aprender a diferença entre o "eu" e o "não eu", a fim de ser capaz de dizer se a negatividade que você está sentindo é sua ou é de outra pessoa. Isso ajuda a evitar as esmagadoras e inevitáveis energias negativas ​​que ocorrem frequentemente quando você está suscetível a coletar a energia do outro e tomá-la como se fosse a sua.

Fazendo um esforço mental para silenciar os pensamentos e ouvir seus sentimentos, e perceber como os sentimentos são alterados quando as pessoas ou as coisas ao seu redor estão alteradas, permitindo a consciência do crânio e consciência do coração trabalharem produtivamente juntas sem que uma domine a outra.

Usando o coração, o cérebro pode distinguir o que você realmente quer daquilo do que o lado condicionado deseja, mas isso não tem nenhuma paixão profundamente arraigada.

De qualquer forma, o coração pode se sintonizar com o cérebro e sentir seus pensamentos, combinando assim os dois órgãos de percepção.

Para saber uma forma de como se faz para sentir pensamentos diferentes, para anexar mais pensamentos a esses sentimentos ou histórias, e em vez de apenas se limitar a deixá-los lá, enquanto você conscientemente reconhecer que eles estão lá, é também crucial encontrar um equilíbrio quando se trabalha com os dois corpos de percepção.

Para ouvir como o coração se sente sem adicionar os pensamentos da mente e histórias desses sentimentos, então, você pode optar por colocar seus pensamentos em direção ao que você se senti melhor, para tomar decisões.



"O estresse constante cria uma atmosfera energética, que afeta a cidade e o país, espalhando-se de nação para nação, causando desarmonia, doenças, tempestades e guerra.

A inteligência do coração pode ajudar a dissipar essas energias negativas, dando às pessoas um novo começo para aprender a conviver bem.

Na medida em que as pessoas aprenderem o suficiente sobre a aptidão emocional, isso causará uma mudança global na nova consciência que muitos estão falando, e, em seguida, a qualidade de vida terá a oportunidade de se tornar melhor para todos ". - Doc Childre



Por : Shelley M. White





Tradução para o espanhol : Kaufmann Adela 




Publicação : Biblioteca das Pleyades


Tradução para o português : Sônia L Pereira


Postagem : Mostradores da Luz








Nenhum comentário:

Postar um comentário